a_sua_empresa_esta_apta_para_proteger_dados

A sua empresa está apta para proteger dados?

A sua empresa está apta para proteger dados?

Falta menos de um ano para a entrada em vigor do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), um conjunto de novas normas que se aplicam a todas as empresas que processam dados pessoais na União Europeia. Importa por isso perceber se as organizações portuguesas estão preparadas para as alterações que aí vêm. Um estudo da Kaspersky Lab indica que os especialistas em tecnologia de informação nacionais admitem não estar totalmente sensibilizados e capacitados para lidar com as novas regulamentações europeias.
O RGPD será implementado a 25 de maio de 2018, pelo que todas as empresas especializadas em tecnologia da informação têm poucos meses para conhecerem o novo regulamento. De acordo com o referido estudo, Portugal, Bélgica, Dinamarca e Noruega estão na lista dos países inquiridos que demonstraram maior desconhecimento em relação ao novo regulamento.

 

Índice de confiança dos especialistas de tecnologia de informação é baixo

Na prática, apenas cerca de 30% dos entrevistados portugueses mostrou-se confiante em relação às alterações que serão introduzidas com o novo regime. Atrás do nosso país surgem a Bélgica e a Noruega. Para o diretor-geral da Kaspersky Lab Iberia, Alfonso Ramirez, “a falta de conhecimento e atitude perante o RGPD demonstradas pelos profissionais de TI em toda a Europa é preocupante. Muitas empresas estão a colocar-se a si próprias e aos seus clientes em risco ao não adotarem medidas vitais neste momento, na forma como a informação pessoal é recolhida e protegida. A boa notícia é que muitas empresas estão já a praticar boas medidas de gestão de dados, portanto, apesar de parecer uma tarefa gigantesca, muito do trabalho de base já está feito para garantir total conformidade com o regulamento a 25 de maio de 2018″. Recorde-se que o prazo estipulado para a adaptação ao novo regulamento é igual para todos os países da União Europeia, “independentemente do seu tamanho, indústria ou localização”. França, Alemanha, Itália, Espanha, Holanda e Reino Unido são bons exemplos de nações que estão preparadas e comprometidas em cumprir as normas a implementar pelo RGPD.

 

Má adaptação ao RGPD acarreta prejuízos financeiros


“As medidas devem ser tomadas agora para garantir que não existem lacunas nos procedimentos de gestão de dados antes da fúria das autoridades reguladoras tornar o RGPD num remédio amargo, em vez de uma boa decisão para a segurança dos dados de uma organização”, alerta Alfonso Ramirez.
Estar apto a processar os dados pessoais de acordo com as normas da União Europeia é essencial para evitar multas pesadas e, consequentemente, impactos negativos na área financeira da sua empresa. Daí que a inclusão deste novo regulamento no programa de gestão utilizado pelos especialistas em tecnologias de informação seja já uma preocupação assumida por várias empresas de desenvolvimento de software.
Atualmente, as organizações estão em contagem decrescente para a adaptação da sua estrutura às futuras exigências europeias, pelo que é o momento indicado para se comprometerem com o RGPD e implementarem as mudanças necessárias no dia-a-dia empresarial, sob pena de ficarem sujeitas a serem multadas.
O estudo da Kaspersky Lab inquiriu mais de 2.000 especialistas em tecnologia de informação, a trabalhar em empresas com mais de 50 colaboradores e a operar em 11 países da União Europeia: Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Espanha, Portugal, Bélgica, Holanda, Suécia, Dinamarca e Noruega.

Não corra riscos, consulte a equipa especializada da Winsig para conhecer as boas práticas de gestão de dados e as soluções mais indicadas para a sua empresa.

Dora Loureiro – Winsig

FacebookTwitterGoogle+